Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Livros

"Os livros são espelhos: só se vê neles o que a pessoa tem dentro." Carlos Ruiz Zafón

"Os livros são espelhos: só se vê neles o que a pessoa tem dentro." Carlos Ruiz Zafón

Histórias de Livros

01
Set22

A Mulher que Correu Atrás do Vento por João Tordo

Chegou Setembro. O fim do verão está a porta e o cheiro a castanha assada no ar aproxima-se. 

Numa matrioska de histórias sobre pessoas e tempos diferentes, João Tordo cria uma narrativa interessante e diferente das histórias que tinha escrito até então. O tempo passa e trás algo de novo com ele, no entanto, há muitas questões que nos ligam ao que ficou lá atrás. 

25
Ago22

Em que livro gostarias de viver?

Muitos estão de férias (infelizmente, já não é o meu caso) e ter tempo, pode servir também para sonhar e divagar. 

Se pudessem escolher um livro no qual pudessem viver, qual seria?

Um Harry Potter cheio de magia? Um romance? Confesso que para escolher, por medo, a pessoa prefere uma história exótica onde pouco acontece e todos acabam bem, mas o que seria da vida sem adversidade?! Por isso arriscava-me no romântico, mas obscuro mundo que A Sombra do Vento oferece e ia de bom grado conhecer o Cemitério dos Livros esquecidos. =D 

16
Ago22

Os Versículos Satânicos por Salman Rushdie

Este é o primeiro livro que aqui trago que ainda não li. Infelizmente, o modo como cheguei até ele, fez-me querer trazê-lo mais cedo. 

A verdade é que desconhecia Salman Rushdie, não fosse a tragédia que sucedeu recentemente. Como já se calculava, a tragédia fez disparar a curiosidade com o livro, que voltou aos tops de venda anos depois da sua primeira edição. 

Os Versículos Satânicos são uma obra de ficção, descrita como uma luta entre o Bem e o Mal. Que alguém seja esfaqueado por algo que escreveu, que uma Nação defenda o ato, embora negue qualquer ligação, são motivos para nos fazerem a todos pensar. 

Leiam-se este e outros livros e que se aprenda a usar as palavras, ao invés de ações que destroem a vida de todos os envolvidos. 

26
Mai22

A Vida Mentirosa dos Adultos por Elena Ferrante

A escritora que nos leva a viajar até Nápoles. 

Este foi um dos casos em que a adaptação chegou primeiro do que a leitura. Fiquei a conhecer Elena Ferrante através da série A Amiga Genial. Por estar a acompanhar a série, tenho uma certa dificuldade em atirar-me para já aos livros, por isso, quando saiu este A Vida Mentirosa dos Adultos, vi uma excelente oportunidade para entrar no mundo da escritora. 

Gostei muito da sua escrita e, não tive dúvida de que algo que me envolveu. No entanto, sinto uma certa elevada amargura, que me incomoda. Noto isso também na série. Por norma, gosto dum certo equilíbrio entre drama/comédia. Mas o incómodo é sinónimo de mau? Creio que não, talvez seja até o oposto.

Não foi um dos livros que mais me marcou, mas abriu caminho e tenho muita curiosidade para ler A Amiga Genial, acho a série muitíssimo interessante. 

23
Abr22

Que livro se dá à re-leitura?

Nunca li o mesmo livro duas vezes. No entanto, também tinha esse hábito com os filmes (não repetir), mas ultimamente sabe-me bem revisitar histórias que me marcaram. É engraçado, como uma segunda ou até mais visão, nos permitem descobrir sempre algo novo e, por outro lado, perceber como o nosso sentimento em relação a certas coisas pode mudar.

Dei por mim a pensar nesta prática em relação aos livros. Um livro é algo que requer mais tempo e atenção para ser apreciado. Talvez, por isso, nunca me tenha aventura numa repetição, mas sei que muitas pessoas o fazem. Como é que se adia uma história nova para revisitar uma antiga, no contexto dos livros? Quem o faz frequentemente? Que histórias é que mais propiciam esta prática?

 

Curiosidades. 

 

 

25
Mar22

Daisy Jones & The Six por Taylor Jenkins Reid

O livro que me pôs a ouvir Fleetwood Mac e a ver documentários sobre uma banda que foi várias ao mesmo tempo. 

Acho que com o passar do tempo, percebo que gostei mais do livro do que deixei entender enquanto o lia. 

Uma leitura leve e interessante, por ser em formato documentário (a história é apresentada pelas personagens a serem entrevistadas para um documentário), duma autora que tem vindo a ganhar terreno. 

11
Mar22

O primo Basílio por Eça de Queirós

Um dos clássicos da literatura portuguesa, com o qual só me deparei já na minha fase adulta. 

Este livro marcou-me intensamente e, anos depois de o ter lido, ainda recordo alguns dos momentos nele descritos. Creio ser um texto fascinante, que apesar da distância temporal, tem algo de muito atual nos seus personagens. 

Engraçado que pesquisei um pouco sobre a análise da obra, antes de escrever esta publicação e a visão que eu tenho da história e da sua personagem principal é razoavelmente diferente, não sendo para mim, Luísa a burguesa fútil que se condena à ruína com os seus atos, mas uma mulher cuja falta de opções e motivações a conduzem a um erro, quando surge o primo Basílio, o típico egoísta bon vivant

Na minha opinião, talvez pouco popular, mais interessante que Os Maias.

05
Mar22

Siddartha por Hermann Hesse

Num fim-de-semana de pandemia, a internet resolve ausentar-se e, numa rotina que está tão dependente deste instrumento, para ouvir música, comunicar, escrever neste blogue e outras formas de entretenimento. Sobrou então um ebook que tinha comprado há algum tempo e aguardava que eu lhe pegasse. A ausência de internet, veio juntar-nos. 

Siddartha é um livro simples, cerca de 150 páginas, mas ao mesmo tempo é uma jornada. É um livro que nos fala muito sobre a vida e os vários caminhos que estão à nossa frente. Haverá um que seja o correto? Ou poderemos encontrar-nos de várias formas?

Foi a minha companhia num sábado à noite, por acaso, mas deu significado a uma noite que não tinha muito para oferecer. 

 

 

ps. Numa altura em que a paz é mais uma vez abalada, não tendo sido propositada, esta é uma sugestão de leitura que nos permite refletir sobre o que realmente importa. Outra sugestão, também já falada neste espaço é Mil sóis resplandecentes por Khaled Hosseini

ps1. Hermann Hesse foi prémio Nobel da literatura em 1946

18
Fev22

Porque é importante ler?

 "a percentagem de inquiridos portugueses que, no último ano, não leram qualquer livro impresso (61%)"* Terão lido edições digitais?

Porque é importante ler?

A leitura desde cedo funcionou como um escape para mim. Foi a minha forma de viajar durante muitos anos, entretenimento de verão e professora de educação cívica. Quando era estudante, lembro-me que também o fazia essencialmente durante as férias, porque o resto do ano já tinha bastante que ler na escola. Atualmente, passando 40 horas semanais em frente a um computador, ler também não é o que mais tenho vontade de fazer durante a semana, não pela leitura, mas pelos meus olhos que exigem uma pausa. Porém, ao fim-de-semana, bom filho a casa retorna. 

Deixo aqui algumas razões pelas quais é para mim importante ler.

"A leitura engrandece a alma" Voltaire

"A imaginação é a única arma na guerra contra a realidade." Lewis Carroll

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo." Nelson Mandela

A educação é um dos pilares da sociedade, mas é muito mais do que aquilo que a nossa família e a escola nos ensina. Chega uma altura em que temos de ser nós a ir atrás dela e, os livros são uma excelente forma de o fazer.

Gostaria de perceber que motivos levam alguém a não abrir sequer um livro em 365 dias. Falta de tempo. Não existem folgas, férias? São tudo horas de trabalho, comer e dormir? Falta de dinheiro, mas existem promoções, ebooks ou então o mais gratuito de tudo, as bilbiotecas, um verdadeiro tesouro!

Que outros motivos podem existir? Não gostar? Do quê? De letras? A leitura é uma questão de hábito e, encontrando o(s) autor(es) certos, pode tornar-se uma das nossas principais formas de entretenimento. Falta de temas não existe, temos tantas categorias, literárias ou não, autores de idades e circunstâncias bem distintas, pode apenas tratar-se de descobrir o que nos prende.  

Que outras razões podem existir para não ler? Ou talvez, foquemo-nos antes nos motivos que nos levam a ler. A leitura é também uma forma de comunidade. Existe a aplicação Goodreads, em que podemos partilhar as nossas "estantes" com os nossos contactos e seguir os autores de que gostamos. São vários os influenciadores presentes nas redes sociais que criam conteúdo relacionado com a leitura. Ou então, uma ótima forma pode também ser procurar o seu amigo/familiar que mais lê e pedir-lhe recomendações! 

 

Da minha parte, irei continuar por aqui, a tentar partilhar livros, porque gosto tanto de ler e de falar sobre o que leio e, tentarei trazer hipóteses variadas, para que escolhas e ideias não faltem a quem interessar. 

 

 

11
Fev22

Princípio de Karenina por Afonso Cruz

O primeiro livro de Afonso Cruz de que ouvi falar e, obviamente que, com este título me despertou a curiosidade. 

Já aqui falei do único outro livro deste autor que li, portanto, não comecei pelo início, no entanto, como no meu círculo de leitura tenho alguns fãs de Afonso Cruz, acabei por aqui chegar. Só que este Princípio de Karenina deu-me um murro no estômago de tal forma, que algum tempo depois de terminar a leitura, ainda me mói e não sei se conseguirei voltar a ler algo deste autor tão cedo. 

Mais sobre mim

foto do autor

Gosto de acompanhar

Ritadanova Hela Sardinhas em lata

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub