Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias de Livros

"Os livros são espelhos: só se vê neles o que a pessoa tem dentro." Carlos Ruiz Zafón

"Os livros são espelhos: só se vê neles o que a pessoa tem dentro." Carlos Ruiz Zafón

Histórias de Livros

16
Ago19

O pintassilgo por Donna Tartt

Provavelmente o livro que demorei mais tempo a ler. 

Foi-me dito que era um livro especial, diferente. Fiquei curiosa pelo tipo de história que apresentava, parecia ter pano para mangas para muita ação e pelo número de páginas acreditei que teria. Cerca de um mês e meio depois de o ter começado, posso dizer que não sei muito bem o que me aconteceu, o que é que achei. É um livro imenso, não é só o ter muitas páginas, mas a própria narrativa ser densa. Houve partes que me aborreceu, páginas e páginas com diálogos tal e qual como uma conversa de amigos seria. A verdade é que fiquei presa à história e fui voltando. Se demorei tanto a ler foi mesmo só porque não me agarrava o suficiente para o querer ler todos os dias, mas o suficiente para me manter. Quem é afinal Theodore Decker? Como é que a sua história vai acabar no meio de uma infância tão tumultuosa?

Nem a história e o seu desfecho são particularmente chamativos, nem os personagens são peculiares ou extremamente interessantes. Acabei por criar alguma empatia com o Theo, por ser um miúdo, acompanhar a sua infância e a história terminar com ele na mesma faixa etária que eu. Contudo, as pequenas mensagens que se vão encontrando pelo livro são tão duramente reais, que acho que é isso que nos mantém ligados.

 

Sem fazer spoilers deixo aqui um excerto do livro que para mim resumiu bem toda a mensagem:

"Como sabemos o que é correto para nós? Todos os psiquiatras, orientadores vocacionais e todas as princesas da Disney sabem a resposta: "Sê tu mesmo/a". "Segue o teu coração." Só que aqui está o que eu realmente gostava que alguém me explicasse. E se por acaso se tiver um coração em que não se pode confiar? E se o coração, pelas suas próprias razões incompreensíveis, nos afastar propositadamente e numa nuvem de radiância inefável da saúde, da domesticidade, da responsabilidade cívica, das relações sociais fortes e de todas as virtudes comuns mornamente defendidas e nos impelir diretamente para um belo clarão de ruína, autoimolação, desastre?" 

E pelo meio de uma história longa, dura, por vezes até aborrecida, encontrar estas questões tão bem colocadas, foi o que fez o livro valer a pena.

 

Vai para a estante das leituras duras, mas necessárias. Curiosa por passar ao próximo desta escritora, mas não para já. Agora seguir para algo diferente e mais leve!

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Gosto de acompanhar

Ritadanova Hela Sardinhas em lata

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue nas redes

@historiasdelivrosblog

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub