Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Livros

"Os livros são espelhos: só se vê neles o que a pessoa tem dentro." Carlos Ruiz Zafón

"Os livros são espelhos: só se vê neles o que a pessoa tem dentro." Carlos Ruiz Zafón

Histórias de Livros

06
Jul22

Leituras de verão

Verão é para mim também sinónimo de leituras à beira mar ou à beira da piscina. Os dias mais longos, convidam a esticar as pernas duma outra forma, numa espreguiçadeira e, que bem sabe fazê-lo na companhia dum bom livro. Por esta altura, normalmente, apetecem-me histórias mais simples, preferencialmente com temperaturas altas e bebidas frescas. 

Por isso, aproveitando a estação para descansar e recarregar leituras, deixarei aqui nas próximas semanas algumas leituras deste género que poderão aproveitar, caso estejam perdidos sobre o que levar para a praia.

  • Travessuras da menina má - talvez por ser um livro que nos leva a viajar, uma história densa, mas de leitura curta, porque não levar um Prémio Nobel até junto ao mar?
  • Lá, onde o vento chora - lido no verão, grande parte na praia, acho que se adequa perfeitamente, visto que grande parte da história se passa no meio da natureza, o que é ótimo para quem se escapa para o campo. E para quem gosta também de acompanhar a sétima arte, julgo que este mês sairá a adaptação ao cinema. 

 

Sugestões aceitam-se nos comentários. 

Boas férias se for o caso, boas leituras. 

ps. Podem encontrar mais detalhes/opiniões sobre cada livro nos links acima

01
Jul22

Que livro não convida ao término?

Existem 2 tipos de pessoas: as que levam o livro até ao fim, ainda que não estejam a desfrutar e, as que mal lhes comece a fazer comichão, põem de parte. 

Provavelmente existirão intermédios mas, normalmente, quem consegue dar por terminado 1 livro a meio, consegue repetir a proeza. Já quem não tem por hábito fazer, irá suar do bigode para poder terminar, mas termina. 

Sou team suar do bigode, mas confesso que tenho tentado desligar-me mais, se a leitura não convida à continuação. No entanto, isto pode não ter a ver com o livro ser bom ou mau, estar bem escrito ou não. Pessoalmente, o que sinto é que às vezes é uma história ou escrita para a qual não estou virada naquele momento, por isso, mais vale parar e esperar pelo momento certo. 

Recentemente aconteceu-me isso com um livro de Siri Hustvedt, O Mundo Ardente. Mal comecei a ler, senti-me a desligar, então lá ficou na prateleira virtual do ebook, esperando que um dia eu acorde mais disposta.

Já tive casos, em que li até ao fim, mas desatentadamente, passando as páginas apenas para ver se existia alguma mudança que me captasse a atenção. Aconteceu, por exemplo, com As Vinhas da Ira, de John Steinbeck. Um clássico referenciado por muita gente e, compreendo a importância do que ali está escrito, mas custou para me fazer chegar ao fim... 

Portanto, o segredo está no que se lê e quando se lê. Até os melhores leitores podem desistir, ou não?

22
Jun22

Everything I Know About Love por Dolly Alderton

O meu primeiro audiolivro. 

Este é um livro em que Dolly Alderton decidiu partilhar a sua história e experiência com o amor. É uma história muito pessoal, sobre amor, amizade, família, trabalho, expetativas...

Decidi ouvir em vez de ler, porque em primeiro lugar, estava um bocado em dúvida se havia de ler ou não. Normalmente, não me atiro de cabeça a não ficção e, sendo uma história pessoal, tinha receio de não me identificar e aborrecer. Em segundo lugar, tinha visto no blogue da Rita da Nova que a versão narrada pela própria autora tinha muita graça e adicionava às palavras. Experimentei e gostei muito. Acho que, para já, neste estilo de livros funciona muito bem.

Quanto ao livro, acho que é daqueles que se gosta ou não. Apesar da vida da Dolly ser bem diferente da minha (eu nunca tinha dado a mínima importância ao Prosecco, por exemplo), relacionei-me com a humanidade e a emoção que a autora colocou no livro. É uma leitura divertida, mas desengane-se quem acha leve. Dolly Alderton oferece-nos várias questões em que refletir. 

Ao que parece vai dar uma série na BBC.

16
Jun22

O Gigante Enterrado por Kazuo Ishiguro

O prémio Nobel, bem como uma adaptação ao cinema de outro seu livro Nunca Me Deixes, trouxeram-me até aqui. 

A prova de que fama, hype e prémios nem sempre são sinónimo de que se irá gostar e ainda bem. O que seria do amarelo, como se costuma dizer.

Custou-me imenso ler e terminar este livro, cheguei ao fim apenas feliz por terminar. Por vezes, custa mas sente-se que ficou qualquer coisa. Não foi o caso desta minha experiência, mas de certo agradou a alguém e, por aqui, não se fala só do que se gosta, mas de experiências com livros. Histórias mas, de não ficção.

09
Jun22

Autoras portuguesas

Que autoras portuguesas são leitura super recomendável?

Um dos motivos que me fez criar o História de Livros foi a diversidade na leitura. Sou um tipo de leitora que ao descobrir um escritor que aprecio, vou tentar ler tudo o que essa pessoa escreveu, entrando depois num vazio até que haja material novo ou descubra novo autor. Por esse motivo, no ano passado, participei num desafio para me incentivar a ler com maior diversidade. Ao fazê-lo percebi que seria interessante poder de alguma forma partilhar esta experiência, como forma de também melhor acompanhar o meu plano de diversificação. 

Ora, recentemente, percebi que não tenho um vasto número de escritoras portuguesas no meu catálogo. Por isso, aproveitemos o melhor que a internet nos pode dar, a partilha:

Que autoras portuguesas são leitura super recomendável? Quais escreveram livros que vos arrebataram? Não há respostas erradas. =D 

 

ps. Feliz dia de Portugal e dia de Camões

01
Jun22

O Bom Inverno por João Tordo

Sim, eu sei que João Tordo lançou recentemente um novo livro, mas quem me for seguindo por aqui, já poderá saber, ou irá aperceber-se, que gosto de fugir à evolução cronológica imposta e seguir antes a forma como ela ocorre para mim. 

Já aqui falei de como cheguei à escrita de João Tordo e este O Bom Inverno foi um dos que se seguiu, sendo que João Tordo começou a aproximar-se da escrita de suspense. Aqui, fui transportada até à Hungria e, mais tarde a Itália. Foi uma viagem curta, que se fez de forma leve e valeu a pena. 

26
Mai22

A Vida Mentirosa dos Adultos por Elena Ferrante

A escritora que nos leva a viajar até Nápoles. 

Este foi um dos casos em que a adaptação chegou primeiro do que a leitura. Fiquei a conhecer Elena Ferrante através da série A Amiga Genial. Por estar a acompanhar a série, tenho uma certa dificuldade em atirar-me para já aos livros, por isso, quando saiu este A Vida Mentirosa dos Adultos, vi uma excelente oportunidade para entrar no mundo da escritora. 

Gostei muito da sua escrita e, não tive dúvida de que algo que me envolveu. No entanto, sinto uma certa elevada amargura, que me incomoda. Noto isso também na série. Por norma, gosto dum certo equilíbrio entre drama/comédia. Mas o incómodo é sinónimo de mau? Creio que não, talvez seja até o oposto.

Não foi um dos livros que mais me marcou, mas abriu caminho e tenho muita curiosidade para ler A Amiga Genial, acho a série muitíssimo interessante. 

20
Mai22

Quanto vale um livro?

Do ponto de vista artístico e emocional, pode-se dizer que um livro não terá valor. É algo etéreo, que se aprecia a um nível que materialmente não se compra. 

No entanto, vivemos num mundo em que a moeda de troca é dinheiro e os livros têm um valor monetário. Tendo estado recentemente a viver entre dois países, foi impossível não notar que em Portugal os livros, sejam físicos ou até mesmo ebooks, são mais caros que em muitos outros países. 

É óbvio que para os livros nos chegarem, existe todo um grupo de pessoas por detrás que têm e devem ser remuneradas. No entanto, ainda aqui há tempos, falavam-se dos números desanimadores da leitura em Portugal. Assim sendo, não seria caso para nos preocuparmos e tentarmos evitar também aqui subidas de preços? Muito pelo contrário, tentar tornar os livros mais acessíveis?

Como cheguei a falar anteriormente, o preço dum livro não deverá ser motivo para que alguém não leia, já que existem promoções e bibliotecas. Contudo, tenho recentemente pensado no que levará a esta diferença. 

Porque são os livros mais caros em Portugal? (talvez inocência minha em perguntar)

De acordo com esta notícia da Rádio Renascença, o preço médio de um livro de não ficção ronda os 16,29€, já os de ficção rondam os 15,24€. Segundo a mesma notícia, a compra de livros em Portugal tem vindo a crescer, o que é ótimo, mas e se os preços fossem mais baixos? 

Que opções temos para rentabilizar a nossa aquisição de livros?

  • Bibliotecas (públicas e pessoais), sempre uma excelente forma de ler sem ter de gastar 1 cêntimo;
  • Livros em inglês  - sim, normalmente são mais baratos que em português, por isso, pode ser um bom incentivo para aprender a língua ou então aperfeiçoá-la;
  • E-books - sempre ficam mais em conta, embora muitos acabem por ter preços semelhantes às versões físicas (no que se baseiam para estes casos, tendo em conta que se salta a impressão?)
  • Aproveitar todas as promoções que surjam, cartões clientes;
  • Encomendar fora de Portugal, poderá também ser uma opção mais rentável para quem quiser encomendar mais do que 1 livro, visto que provavelmente acrescerão portes;
  • Livros em segunda mão - porque não? Vi recentemente que um conjunto de livrarias em Portugal se juntaram para criar uma loja online, onde é possível encontrar algumas pechinchas e apoiar comércio local; 

Que outras opções existem para o livrólico comum? Ideias aceitam-se. =) 

15
Mai22

The Complete Maus por Art Spiegelman

Li porque um amigo leu e ao pesquisar sobre o livro, percebi que havia algo de fundamental nele. 

Não sou muito de livros de banda desenhada, mesmo em pequena, nunca lhes peguei muito, ao contrário do meu pai, que gostava de coleccioná-los. Este The Complete Maus contudo, facilmente me convenceu. É óbvio que é impossível ficar indiferente, simplesmente pelo tema. No entanto, Art Spiegelman conseguiu contar esta história de forma especial, não só pela forma como o fez, mas pelo cunho familiar que lhe deu.

Spiegelman podia ter escolhido contar apenas a História, o drama e as dificuldades de uma família durante o Holocausto, mas escolheu manter os momentos em que anos mais tarde o pai lhe está a contar a ele o que aconteceu, mantendo detalhes deliciosamente comuns, como um idoso que se esquece ou simplesmente opta por não tomar a medicação. O autor, dá-nos assim não só a conhecer mais uma parte dum episódio negro da nossa História, como nos aproxima dos seus personagens. 

O Wall Street Journal disse que era a narrativa mais afetuosa e de sucesso alguma fez feita sobre o Holocausto. Tragédias acontecem, muitos não sobrevivem, mas para os que continuam, a vida segue misturada com alguma normalidade comum a todos nós. 

05
Mai22

A Cor do Hibisco por Chimamanda Ngozi Adichie

Aqui há uns tempos muitos recomendavam a autora Chimamanda Ngozi Adichie, mais precisamente o Americanah. Creio que até estava numa das listas de livros favoritos do Barack Obama. Para contrariar, ou simplesmente porque este A Cor do Hibisco me atraiu mais, resolvi começar por aqui.

Há algo de envolvente nesta escrita, mas por outro lado senti que me faltava algo ao terminá-lo. No entanto, foi outro livro que me levou a viajar, desta vez, até à Nigéria. Ando há algum tempo para ir ao Americanah, a ver se acontece brevemente. 

Ps. fator absolutamente superficial, aprecio bastante esta capa da edição portuguesa

A Cor do Hibisco – Distopia Livraria

Mais sobre mim

foto do autor

Gosto de acompanhar

Ritadanova Hela Sardinhas em lata

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub